sexta-feira, 13 de março de 2009

Tempos de quadros.

"E és inspiração demais para mim.
Não consigo suportar.
Usarei essa palavra de hoje em diante,
adiante...

Inspiração é, ela irá mascarar
todos os meus possíveis sentimentos...

Encobrirá
todas as outras palavras de que tenho medo
e tudo se tornará, tão...
Bonito e poético, patético.
Talvez inspirará outras pessoas
Como essas fazem pra mim.

Não-promessas fizemos
e agora tuas marcas estão aqui.

Como um selo, que diz: Não me esqueça.
Não teria esquecido de certa forma.
Todas tuas formas,
não mesmo.

E eu não quero automatizar as coisas,
por isso eu gosto sim da distancia.
Assim, dessa loucura de ser
tudo tão perfeito,
de vez em quando.

Não me cansarei de ansiar por te ver.

E a cada dia, a cada novo dia...
contigo seria diferente.
Em algum lugar.
Não mesmo...”

Para a Daia.

2 comentários:

Ian Lehmann disse...

maravilhoso... @.@

Alf disse...

essa coisa com as palavras... é tão simples dar nomes ao que acontece dentro de nós, mas isso realmente tira muito do significado próprio do que sentimos pra jogar em uma vala comum.